Blog

Intolerância à lactose: doença ou moda?

Dor na barriga, gases e diarreia. Poderia ser um mal estar passageiro, uma gastroenterite viral, uma intoxicação alimentar. Mas muitas pessoas experimentam os sintomas cada vez que ingerem algum produto lácteo. E aí recebem o diagnóstico: intolerância à lactose. A doença, real, tem se tornado tão frequente que parece ter virado moda. No Brasil, a estimativa é de que metade da população sofra com o problema.

Será que todos esses brasileiros foram tomados por uma onda de modismo? A explicação vai além. De fato, "não se nasce intolerante — torna-se", como diria Simone de Beauvoir. É claro que a filósofa francesa se referia a questões muito mais profundas que a intolerância à lactose, mas a frase se aplica perfeitamente à doença. É que, com a idade, a nossa capacidade de absorver esse açúcar presente no leite e seus derivados só diminui.

Vale ressaltar, porém, que a intolerância à lactose é diferente da alergia à proteína do leite, doença muito mais rara e que exige cuidados diferentes.

 

Como saber se uma pessoa tem intolerância à lactose

Os sintomas de intolerância à lactose geralmente começam de meia hora a duas horas depois da ingestão de alimentos ou bebidas que tenham lactose. Os principais sinais são diarreia, náusea e às vezes vômitos, dores abdominais e inchaço. Existem três tipos de intolerância à lactose:

 

  • Primária, resultado do envelhecimento. É o tipo mais comum e ocorre porque, na medida em que a dieta varia, o corpo diminui a quantidade de lactase produzida. Com o tempo, isso pode levar à intolerância à lactose e, pelo mesmo motivo, existem diferentes níveis de intolerância: uma pessoa pode ser mais sensível a alguns alimentos que outros, por exemplo.
  • Secundária, causada por alguma doença ou ferimento.
  • E congênita, quando a pessoa nasce com o problema.

 

 

A intensidade dos sintomas pode variar de acordo com o grupo de alimento ingerido e com a presença de lactose neles. Conheça os principais:

 

  • No grupo 1, estão os alimentos com alto teor de lactose (de 5% a 50%) e nele estão o leite de vaca, leite em pó, leite condensado, sorvetes a base de leite e queijo ricota.
  • No grupo 2, estão os alimentos com teor intermediário de lactose (2% a 3%), entre eles iogurte e coalhada caseira.
  • No grupo 3 estão os com baixo de teor de lactose (de 0,01% a 2%), como queijo minas, mussarela, prato, parmesão e manteiga. Em geral, pessoas com intolerância leve podem consumir esses alimentos sem grandes problemas.

 

Como funciona o diagnóstico de intolerância à lactose

Para ter certeza de que a causa dos sintomas é realmente intolerância à lactose, existem alguns exames que podem ser feitos, são eles:

 

  • Exame de tolerância à lactose, no qual o paciente ingere um líquido rico em lactose e, em seguida, realiza exames de sangue para verificar a quantidade de glucose.
  • Exame de hidrogênio expirado, no qual o paciente também ingere um líquido rico em lactose, mas o médico analisa a quantidade de hidrogênio no hálito da pessoa.
  • E medidor de ácidos, visto que a lactose não digerida produz ácido lático no organismo, que pode ser identificado com um medidor de ácidos.

 

O tratamento para intolerância à lactose

Não existe um tratamento contínuo ou uma cura para a intolerância à lactose. O recomendado é que o paciente evite ingerir produtos que contenham lactose ou tomem a enzima lactase, responsável por digeri-la, em formas de cápsulas ou comprimidos mastigáveis antes de consumir produtos lácteos.

Gostou das dicas de hoje? Inscreva-se em nossa newsletter e fique por dentro das novidades!

 

Leia também:

Como funciona a jornada de trabalho do farmacêutico

Interações farmacológicas: o que são, efeitos, tipos e como evitar

Conheça os procedimentos estéticos realizados por farmacêuticos

 

Importante: O objetivo deste blog é trazer informações atualizadas sobre o setor médico/farmacêutico. O conteúdo não expressa a opinião da empresa/Laboratório Teuto | Pfizer.