Blog

Conheça as principais formas farmacêuticas dos medicamentos

Você provavelmente já ouviu falar em forma farmacêutica de medicamentos. Mas sabe para que elas servem e quais são as principais formas?

Existem três formas muito utilizadas e comuns no mundo farmacêutico. São elas: os comprimidos, as cápsulas e as drágeas.

Veja neste post para que serve cada uma delas e por que são usadas. Confira agora mesmo essas diferenças e aplicações!

Comprimidos

Nessa forma farmacêutica, diversos “pós” são comprimidos para dar forma ao medicamento. O pó é formado pelo princípio ativo do medicamento e também pelo excipiente, substância inerte incorporada como veículo a certos medicamentos.

Os comprimidos ainda podem ser classificados em simples, mastigáveis, sublinguais, tamponado, efervescente ou revestido.

Outras características também podem interferir na forma farmacêutica deste produto, como é o caso do local em que este deve ser aplicado ou a forma como deve ser consumido. Como exemplo podemos citar os supositórios – destinados a inserção em orifícios corporais (ex. uso retal).

Drágeas

Podemos chamar as drágeas de comprimidos super-resistentes. No centro desse produto está o comprimido em si, as duas camadas extras servem para proteger o produto do suco gástrico, dar cor ao produto e disfarçar o sabor em alguns casos.

 

 

Essa forma farmacêutica é usada em medicamentos que precisam de mais resistência e não podem ser absorvidos pelo tubo gástrico. Por isso, contam com essa proteção extra para que o objetivo da fórmula possa ser cumprido.

Outra aplicação comum dessa forma farmacêutica é quando o princípio ativo pode causar algum dano à parede gástrica.

Em ambos os casos, o produto resiste à decomposição que ocorre no estômago com os alimentos, por exemplo, sendo absorvido apenas no intestino.

Cápsulas

A cápsula se rompe no tubo gástrico e, por isso, é mais rapidamente absorvida pelo organismo. Seu uso é muito comum para administrar medicamentos que possuem um gosto muito desagradável.

Contudo, ao contrário dos comprimidos, as cápsulas são protegidas por uma camada gelatinosa. Dentro da cápsula consta o princípio ativo da fórmula e os excipientes.

Outra particularidade das cápsulas é que o conteúdo de seu interior pode ser sólido ou líquido, dependendo da formulação do medicamento. Essa característica torna essa forma farmacêutica muito versátil e utilizada com mais frequência do que as drágeas.