Blog

Farmácias passam a ter papel de destaque no combate a violência doméstica

O contexto de pandemia do novo coronavírus tem transformado as nossas vidas substancialmente. O setor farmacêutico tem ganhado destaque durante este momento de enfrentamento à crise sanitária e um exemplo disso é a disponibilização de testes de Covid-19 nestes estabelecimentos. Além disso, agora o setor farmacêutico também irá atuar no combate à violência doméstica, que tem crescido nesse momento. 

Continue lendo este post e saiba mais sobre o Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica e fique por dentro do assunto. Boa leitura!

Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica

Esta é uma campanha impulsionada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), que visa o combate à violência doméstica a partir da ampliação das possibilidades e alternativas de denúncias aos agressores.

Sendo assim, as farmácias passam a também receber denúncias de violência doméstica e de uma forma muito sigilosa e discreta. Para isso, basta a vítima se dirigir a uma farmácia e apresentar um “X” vermelho desenhado na palma da mão para o atendente ou profissional farmacêutico que ele fará a denúncia acionando a polícia e direcionando o acolhimento da vítima. 

A medida teve início no dia 10 de junho de 2020 durante a pandemia do novo coronavírus, justamente porque durante esse período os casos de violência doméstica têm crescido durante o isolamento social. 

De acordo com o levantamento realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), os casos de feminicídio cresceram 22% em 12 estados durante a pandemia entre os meses de março e abril. Esse número é maior do que o quantitativo de casos verificados no mesmo período no ano passado.

Ainda de acordo com o mesmo estudo, enquanto a taxa de feminicídio aumentou, ocorreu uma queda na abertura de boletins de ocorrência vinculados à violência doméstica. Ou seja, a instituição percebe que durante a pandemia do novo coronavírus as mulheres estão mais vulneráveis e com maiores dificuldades de prestar queixa dos seus agressores, pois estão sendo constantemente vigiadas. 

A farmácia enquanto serviço essencial pode ajudar

Sendo assim, como os serviços farmacêuticos são considerados serviços essenciais e estarão sempre abertos durante esse período de crise sanitária, a vítima de violência doméstica pode mais facilmente se dirigir a uma farmácia ou drogaria e solicitar auxílio.

Atualmente, cerca de 10 mil farmácias de todo o país estão colaborando com a iniciativa e fazem parte do Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica. De acordo com o material disponibilizado na campanha, atendentes e farmacêuticos seguirão protocolos predeterminados para atuar diante da situação e não necessariamente serão chamados a depor nos casos.

Desse modo, a partir do crescimento da medida, logo outras farmácias poderão fazer parte desta iniciativa de combate a violência doméstica, e o melhor de tudo, o número de farmácias aumenta cada vez mais no país, ou seja, as vítimas terão maiores probabilidades de encontrar ajuda próximo de casa. 

Agora que você conhece um pouco mais sobre o Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica, compartilhe este post com outras pessoas e assine a nossa newsletter para continuar se atualizando sobre esse e outros assuntos.

Até a próxima!

 

Fonte:

- https://guiadafarmacia.com.br/vitimas-de-violencia-domestica-poderao-fazer-denuncia-em-farmacias/
- https://agenciabrasil.ebc.com.br/vitimas-de-violencia-domestica-poderao-fazer-denuncia-em-farmacias